mundo Publicado em 13/01/2012

Um iPhone paralisa à Filarmônica de Nova Iorque

Filarmônico Nova York

Decorria o movimento final da Nona Sinfonia de Gustav Mahler. O Avery Fisher Hall, uma das salas do Lincoln Center de Nova Iorque, ouvia com atenção as seções sensatas que caracterizam à peça do músico austríaco.

Considerada por muitos como a melhor composição mahleriana, combina força e devoção. Marca o ponto máximo de seu esplendor e é ademais a última que completou antes de morrer, já que a décima ficou inacabada por causa de seu falecimento.

Para os diretores representa um desafio especial, além do gosto por executá-la e escutá-la. Talvez por isso e por seu fino ouvido claro, Alan Gilbert, esta a cargo da Orquestra Filarmônica de Nova Iorque, percebeu durante o adagio que algo não andava bem.

No meio da subtil vibração das duas harpas, violinos, violas e violoncelos, e muito acima do contrabaixo, apareceu uma Marimba. Mas não se tratava de um instrumento de percussão, senão do toque característico de iPhone.

Soou uma vez, soou duas… e à terça, enquanto os espectadores já começavam a se pôr incômodos, Gilbert girou levemente a cabeça para a esquerda. Estava nervoso.

Ademais, o som chegava desde bem perto: na primeira fila. Pediu que cessasse o som, mas não o fez. Ele decidiu ir direto ao ponto e deteve a execução da sinfonia até que pôde deixar de compartilhar o recital com a intrometida música de Marimba.

Jessica — Redatora e revisora
comentários 0
Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Bulhufas.com reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada. Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.
mais titulares ao azar

Publicidade