mundo Publicado em 4/08/2011

Brasil não pensa vender seus títulos estadunidenses

banco central do brasil

O Banco Central de Brasil vê poucas alternativas de investimento à dívida do Tesouro estadunidense, inclusive se a qualificação soberana desse país fosse reduzida, disse o presidente da entidade a um diário local.

A autoridade monetária brasileira tem diversificado suas reservas internacionais em algum grau, “mas as alternativas são poucas”, declarou o chefe do Banco Central, Alexandre Tombini, ao jornal Valor Econômico numa entrevista publicada quarta-feira.

“Nosso pensamento, e certamente o de muitos investidores soberanos e institucionais, é que com a falta de alternativas a ativos livres de risco, os investidores não se vão mover devido a uma mudança na qualificação soberana dos Estados Unidos”, sustentou. “Em nossas reservas, predominam os ativos livres de risco”, acrescentou.

Estados Unidos evitou na terça-feira uma catastrófica cessação de pagamentos ao aprovar um acordo para elevar o teto de dívida do país. No entanto, a maior economia do mundo não está livre de desafios, dado que aos investidores lhes preocupa que as qualificações da dívida soberana do país ainda corram o risco de futuras reduções.

Os fortes debates nos Estados Unidos também geraram críticas globais. O diretor do banco central de China disse na quarta-feira que a incerteza no mercado de títulos estadunidense minará o sistema monetário internacional e afetará ao crescimento global.

“Acho que os investidores institucionais vão ajustar-se a uma nova pontuação se, por exemplo, não choca com nenhuma regra interna”, afirmou Tombini. “O mundo realmente não está pronto para abandonar ativos livres de risco”, acrescentou.

Jessica — Redatora e revisora
comentários 0
Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Bulhufas.com reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada. Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.
mais titulares ao azar

Publicidade